quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

Os riscos de um batismo: o barato que pode sair caro

Batismo na Lagoa de Itarema
Num país como o Brasil, com mais de 7 mil km de costa, era inevitável que o mergulho se popularizasse e se tornasse uma opção em várias praias do nosso litoral. No entanto, com a popularização também vieram vários riscos.

O termo batismo no mergulho é quando uma pessoa que nunca fez um curso de mergulho recebe instruções básicas e faz um mergulho acompanhada de um dive master ou instrutor. O problema é que em muitos lugares, não somente no Brasil, mas no mundo, pessoas não certificadas fazem os batismos colocando em risco a vida das pessoas. É a famosa situação em que o barato pode sair caro...e custar sua vida.

Mas quais são os riscos?

Para muitos, um mergulho "raso" parece não apresentar risco algum. Quando a profundidade é de cerca de 6 metros ou menos, a maioria das pessoas relaxa e não se preocupa em exigir certificações ou de investigar a operadora ou pessoa com quem vai fazer o mergulho. O que a maioria esquece é que mesmo uma profundidade de apenas dois metro já apresenta alguns riscos para o mergulhador não preparado. O mergulho é um dos esportes mais seguros que existe, mas se não forem respeitados os limites de profundidade e tempo de fundo a pessoa não somente pode se machucar seriamente, mas coloca sua vida em risco.

Mergulhador exibindo dores de cabeça após
realizar um mergulho sem as paradas de
segurança. 
Pessoas que se dizem instrutores de mergulho oferecem batismos a preços muito menores que um mergulhador certificado. E quem resiste a uma boa pechincha? Mas quando se trata da sua saúde você deveria. Quando optar por fazer um batismo peça a certificação da pessoa que vai com você. Pergunte que curso ele ou ela fez. Peça referências a outras pessoas. E nunca ache caro (o valor que seja) pagar por um profissional devidamente qualificado quando se tratar da sua segurança.

Quem já pulou numa piscina funda deve lembrar de ter sentido dorzinha de cabeça na parte frontal logo acima ou ao redor dos olhos. Nessa região do nosso corpo há ar e quando esse ar é comprimido quando mergulhamos sentimos dor. Essa situação é para ilustrar o que acontecesse com nosso corpo quando mergulhamos. Da mesma forma que a poucos metros já há compressão do ar, quanto mais fundo vamos mais perigoso essa compressão vai ficando. Sem as orientações adequadas, ar pode ficar preso no nosso corpo em diversos locais causando desde problemas "leves" como uma coceira subcutânea até problemas sérios como paralisia ou morte.

Batismo realizado na Lagoa de Itarema
Outra situação é que muitas dessas empresas que se dizem "operadoras" de beira de praia, além de não terem alguém certificado para garantir a segurança de quem faz o batismo, usam equipamentos de baixa qualidade e/ou sem a devida manutenção. Os equipamentos de mergulho são a peça chave para garantir a sua segurança quando debaixo d'água. Sem usar os equipamentos adequados ou sem a devida manutenção coloca-se a vida em risco.

Então fique atento a quem você confia sua vida.

Quando em Fortaleza, procure a Mar do Ceará para um batismo no mar ou no local mais procurado: Itarema! Para maiores informações entre em contato!

Fonte:

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

Master Scuba Diver e Dive Master: qual a diferença?


Provavelmente você já ouviu o termo "Dive Master". É possível, também, que um Dive Master tenha participado do seu curso ou você tenha encontrado com um ou vários ao longo dos mergulhos. Mas e o termo "Master Scuba Diver"? Você já ouviu falar? Essas duas classificações da PADI têm nomes semelhantes e atribuições bem diferentes. Vamos saber um pouco mais.

As duas denominações indicam mergulhadores com muita experiência e treino. Apesar das similaridades entre os nomes, tornar-se um Master Scuba Diver é bem diferente de se tornar um Dive Master.  Começando pela idade. Pois você pode se tornar um Master Scuba Diver bem jovem, sendo a idade mínima para isso de 12 anos, enquanto um Dive Master tem que ter no mínimo 18 anos.


Menos de 2% dos mergulhadores se tornam Master Scuba Divers fazendo deles um grupo de elite. Os Dive Master geralmente ajudam em aulas e operações de mergulho, ou sejam, trabalham com mergulho fazendo deles profissionais do mergulho. 

Alguns cursos ao longo do caminho são similares. As duas modalidades pedem o curso avançado (certificado de Advanced Open Water Diver) e de resgate (Rescue Diver) sendo que no caso do Master Scuba Diver pode ser a modalidade Junior desses cursos. Veja mais abaixo:

Master Scuba Diver
  • ao menos 12 anos de idade (12-14 anos com Junior MSD)
  • certificação PADI (Junior) Advanced Open Water Diver
  • certificação PADI (Junior) Rescue Diver
  • ter cinco certificações PADI Specialty Diver
  • ter logado no mínimo 50 mergulhos
  • completar o formulário para ser um Master Scuba Diver


No caso do curso para Dive Master, há uma série de pre-requisitos, que devem ser cumpridos antes de iniciar o curso.

  • ter ao menos 18 anos
  • certificação PADI Advanced Open Water Diver
  • certificação PADI Rescue Diver
  • ter completado o EFR Primary and Secondary Care nos últimos dois anos
  • declaração médica atestando apto a mergulhar
  • 40 mergulhos logados antes de começar o curso


E para completar o curso é necessário ter 60 mergulhos logados quando terminar.

E ao longo do curso é necessário completas oito das seções Knowledge Development; passar o exame final para Dive master; passar nos exercícios de habilidades dentro da água e atividades práticas.

Independente do que você desejar do mergulho, quer seja recreação ou trabalho, aprimorar suas habilidades é sempre uma ótima ideia. Sendo assim, o que serve para você? Se tornar um Scuba Dive Master ou um Dive Master? Procure a escola de mergulho mais próxima, ou se você estiver em Fortaleza procure a galera da Mar do Ceará para maiores informações.


Fonte:
https://www2.padi.com/blog/2015/05/12/whats-the-difference-between-padi-master-scuba-diver-and-divemaster/
https://www.abyss.com.au/diving/2016/06/what-is-the-difference-between-a-padi-master-scuba-diver-and-a-divemaster/

sábado, 26 de janeiro de 2019

Macau: tripulantes passavam por dificuldades antes do naufrágio

Tripulantes do navio mercante Macau em 1954. Este navio afundou em Aracati poucos anos após esta reportagem


Em matéria do jornal carioca Imprensa Popular de 18 de setembro de 1954 os tripulantes do navio mercante Macau que viria a afundar no litoral aracatiense em dezembro de 1961, reivindicam seus salários à Companhia de Navegação São Jorge, sediada no Rio de Janeiro e proprietária da embarcação.
"Os tripulantes do navio 'Macau', de propriedade da Companhia de Navegação São Jorge estar à quatro meses e 17 dias sem receber vencimentos. Atravessam situação a mais difícil, pois são pais de famílias numerosas, que lhes têm escrito várias cartas reclamando até falta de alimentação. Um deles o marinheiro Francisco Cruz, é pai de 10 filhos.
Os marítimos, segundo nos informou uma comissão constituída pelos srs. Pedro Lucas dos Santos, Manuel Belo Marinho e Antônio Pedro da Silva, que veio, ontem, à nossa redação já se entenderam com o diretor da empresa, o qual se limitou a dizer que o "Macau" viajará por êstes dias para o Rio Grande do Sul com um grande carregamento, e que talvez na volta haja pagamento. No entanto - frisou - Isto só será possível se fôr conseguido um empréstimo de dinheiro que estamos tentando obter. - Inquirido pelos trabalhadores sôbre o caso de não ser conseguido o empréstimo, o diretor respondeu que a emprêsa irá a falência.
Tal afirmação representa um possível esbulho já em organização contra os marítimos. a emprêsa indo a falência, ficarão de vez sem seus vencimentos. Daí, portanto, ter a tripulação do 'Macau' solicitado providências ao sindicato dos marinheiros."


Fonte
Jornal Imprensa Popular, Rio de Janeiro, 18 de setembro de 1954.

Veja também 

quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Terminei o básico, e agora?


Quando alguém tem interesse em mergulho recreativo e procura uma escola ou centro de mergulho para fazer um curso geralmente começa pelo básico, no caso da PADI um curso de PADI Open Water Diver. Durante o curso e ao final deste novas modalidades são apresentadas, mas a maioria das pessoas se sente um pouco "perdida". Mas afinal, o que fazer depois do básico? Por que fazer mais algum curso depois de terminar o curso PADI Open Water Diver?

Duas perguntas bem diferentes, então vamos por partes.

A primeira recomendação após concluir o curso de mergulho é...mergulhar! Isso mesmo! Colocar em prática o que você aprendeu Você pode alugar equipamento e cair na água com um amigo mergulhador ou participar de um dos passeios (ou saídas) de mergulho organizados pela operadora em datas disponíveis em nosso calendário. A sugestão é que seus primeiros mergulhos após o curso sejam acompanhados de mergulhadores mais experientes ou sob a supervisão de um Divemaster ou Instrutor. Isto porque assim como quando tiramos a habilitação para dirigir um carro, logo após o curso podemos não estar completamente familiarizados com técnicas e possíveis problemas. Então o primeiro passo é cair na água e virar peixe, em cardume!

Ao terminar um curso básico pela PADI você está preparado e pode realizar um mergulho com segurança até 18 m  de profundidade. Mas muitos pontos de mergulho e naufrágios se encontram a uma profundidade maior do que essa. Assim sendo, se você quer continuar mergulhando e ter liberdade para mergulhar em mais lugares precisa ter um curso Adventure Diver ou Advanced Open Water Diver. A sugestão é passar logo para o avançado (Advanced), por uma relação custo benefício.
Cursos e especialidades PADI 

Mas digamos que ir mais fundo não esteja entre os seus desejos. Nada de errado nisso. Ainda sim, você pode escolher melhorar uma, ou várias habilidades, debaixo d'água. Você pode querer usar um equipamento diferente, como uma máscara do tipo full face, que cobre o rosto todo. Ou poder querer usar uma roupa especial para mergulhar em águas geladas, como uma roupa seca. Para tudo isso há uma habilidade que precisa ser desenvolvida e a PADI oferece os devidos treinamentos para que você possa curtir e realizar o mergulho com toda a segurança. Para mais opções de cursos observe no diagrama a seguir o quadro SPECIALITIES a partir do Open Water.

Digamos que você decidiu fazer o curso avançado (Advanced Open Water) para poder ir mais fundo. A partir daí surgem novas dúvidas. E a primeira pergunta que você deve se fazer é: para que eu quero o mergulho na minha vida?

Se o motivo for só recreativo, há um leque de opções de especialidades e cursos que você pode fazer para aprimorar seus conhecimentos, torna-se mais seguro e capacitado a ajudar alguém numa situação de emergência (o curso de resgate) e você pode seguir até Master Scuba Diver.

Se você gostaria de trabalhar com isso, dar aula de mergulho, o caminho a seguir é em direção ao Dive Master para poder trilhar o caminho de Instrutor. Em breve, uma postagem para falar sobre a diferença entre Master Scuba Diver e Dive Master.

No fluxograma acima, em azul claro estão os cursos recreativos PADI. Em azul escuro as especialidades. Em preto, um dos caminhos para se tornar um profissional do mergulho, no caso trabalhando como Dive Master e depois instrutor. Em postagens anteriores nós falamos sobre as diferenças entre mergulho recreacional, técnico e profissional e sobre o mergulho profissional saturado. Em cinza são os cursos que qualquer um, mesmo um não mergulhador, pode fazer. No caso do curso de primeiro socorros (Emergency First Response Provider) trata-se de um curso pré-requisito para o de resgate (Rescue Diver). Finalmente, em branco são as reciclagens ou ReActive. Quando você passa muito tempo sem mergulhar algumas habilidades podem ser esquecidas. O ideal é procurar uma escola de mergulho e fazer um ReActivate dentro dos cursos que você tem antes de fazer um mergulho caso você tenha passado mais de um ano sem mergulhar.

Em postagens futuras mais explicações sobre os cursos e a carreira de mergulhador.

Fonte: 

Leia também