quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Restos de materiais de pesca retirados do Parque Estadual Marinho da Pedra da Risca do Meio

Material de pesca artesanal retirado da Pedra da Botija, a 24m de profundidade. Este ponto fica dentro dos limites do Parque Estadual Marinho da Pedra da Risca do Meio, Fortaleza, CE.

Grande quantidade de chumbadas.
No dia 24 de dezembro mergulhamos na Pedra da Botija dentro do Parque Estadual Marinho da Pedra da Risca do Meio (PEMPRM). A quantidade de restos de petrechos de pesca artesanal nos chamou atenção e dedicamos nossos mergulhos a remover a maior quantidade possível desse lixo.

O PEMPRM foi criado em 5 de setembro de 1997 pela Lei Estadual 12.727 que proíbe várias atividades predatórias mas permite a pesca artesanal dentro dos seus limites a fim de preservar as tradições pesqueiras da comunidade do Mucuripe. Apesar de ser um santuário da vida marinha, o Parque sofre com a falta de recursos para manejo e fiscalização.

Encontramos muitas esponjas presas nas linhas de pesca abandonadas. Aparentemente o azol fica preso às estruturas rígidas dos corais e o pescador se ver obrigado a cortar a linha na superfície, abandonando o restante, cerca de 20 a 30m de nylon, 250g de chumbo e azol, no mar. Este material mantém-se preso ao recife. A mercê da correnteza o nylon enrola-se às esponjas fragilizando a estrutura da mesma que pode se quebrar durante os maiores swells e facilitando um novo enrosco pelo pescador. Além disso, o próprio azol pode prender-se e danificar a estrutura da planta.



As imagens acima mostram diferentes espécies de esponjas presas nas linhas. 

O que parece sustentar essas teorias além da grande quantidade de linhas é a ausência de grandes esponjas neste local e em outros constantemente visitados por pescadores e que apresentam grande quantidade de petrechos de pesca.

Apesar dos problemas ainda é um lugar maravilhoso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário