quarta-feira, 11 de abril de 2012

Canhões do Forte de Jericoacoara: Patrimônio Particular ou da Sociedade?

Canhões de origem holandesa esquecidos em um sítio particular.


por Augusto César
revisão Marcus Davis

Recentemente fui informado pelo pesquisador Ricardo Arruda, que ele e o Josué, o "arqueólogo-pescador" da Ponta Grossa, tinham encontrado três canhões em um sítio em Messejana. Segundo o próprio Ricardo este sítio pertencia anteriormente à Associação dos Servidores da RFFSA (Rede Ferroviária Federal), sendo vendido posteriormente para um particular permanecendo as armas no imóvel.

Pedi o endereço e fui até lá, e para minha grata surpresa lá estavam os canhões. Fotografei e passei  um e-mail para o especialista Maurício Carvalho, do site Naufrágios do Brasil, e  conforme sua opinião se tratam de uma colubrina (antiga peça de artilharia naval) provavelmente dos séc. XV ou XVI, e os outros dois petardos de tempos mais recentes. Para o pesquisador Ricardo eles eram parte da defesa  do forte de Jericoacoara, talvez ainda do período da ocupação holandesa no Nordeste  brasileiro, pois no Ceará tiveram fortificações também em Fortaleza e Camocim.

Solicitei então ao atual proprietário que ele "doasse" essas armas para a sociedade brasileira, pois as mesmas muito embora tenham ficado no imóvel, pertencem à nação. Infelizmente parece que nem todos pensam desta forma e por isso estamos correndo o risco de não contar com este belo  acervo conforme vocês podem ver.

Eis o grande risco dos acervos particulares: a descaracterização e descontextualização de peças de grande valor historico. Expostas em um jardim de um sítio distantante esses canhões não passam de velharias expostas ao tempo, mas depois de estudados e identificados corretamente passam a ter grande valor histórico para a sociedade.

Como podemos observar tratam-se de armas de grande valor histórico e arqueológico, estão bem conservadas e seriam uma boa contribuição para o aprimoramento do conhecimento sobre este período, podendo ficar  expostos e com a devida conservação, em uma das entidades que promovem preservação do patrimônio nacional.

4 comentários:

  1. Lamentável a demonstração de egoísmo por parte do proprietário em se apossar de um bem que pertece à memória da história cearense

    ResponderExcluir
  2. Concordo com o Renê, em Ilhabela no Estado de São Paulo, todos os canhões da cidade são preservados. Devería ser assim em Jericoacoara CE.

    ResponderExcluir
  3. Os canhões não parecem estar esquecidos. Estão protegidos contra corrosão, em bases bem conservadas e pintadas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo,

      Acreditamos que ainda sim estão esquecidos do conhecimento público e acadêmico.

      O mínimo que poderia ser feito seria protege-los contra corrosão como mencionado.

      Excluir